segunda-feira, 23 de junho de 2008

Minha Mãe...

Assim quis Deus que fosse...
Questionarei para sempre o porquê dessa sua decisão...
Eras ainda tão nova e tão precisa nesta vida...
Sabe-se lá como se tem aguentado a vida sem ti...
Como estará na realidade o Luís e o pai? Como viverão eles perante a tua ausência?
Ontem vinha no autocarro e ao olhar para o céu comecei a rezar...
A tua ausência física pode dizer-se que não é fácil, mas não é tão difícil como a tua ausência a nível emocional... Os laços que nos uniam não eram meramente físicos... Eras a minha melhor amiga, a pessoa a quem eu contava tudo e mais alguma coisa... Coisas que não faz sentido contar a mais ninguém...
Contudo, o que mais me custa é saber, relembrar, que tu não estarás mais cá... Que tudo o que se passar de agora em diante te será completamente indiferente, ou seja, não presenciarás, não poderás dar a tua opinião, não terás mais nenhuma felicidade na vida... E apesar de dizeres ter sido feliz, eu acredito que não foste tão feliz quanto eu gostaria que tivesses sido...
Eu estava disposta a tudo para que fosses feliz... Para te ver com um sorriso nos lábios, mas parece que em tudo que tocava ou tudo o que fazia, saía asneira... E só te desiludia... Mas tu nunca desististe de mim e sempre me amaste...
Nunca me esquecerei da noite em que te dei a notícia de que me tinham telefonado a perguntar se eu continuava interessada em entrar para a faculdade... Vibraste! Mais do que eu apesar da minha nítida felicidade... Ainda bem que ficaste feliz :) Pelo menos uma boa notícia da minha parte recebeste...
Não há um dia em que não me lembre com orgulho de ti, dos momentos que passamos juntos, das muitas palavras que trocamos, da nossa cumplicidade...
Espero um dia ser uma boa mãe... E ter uma relação tão bonita com os meus filhos como havia entre nós... Só tenho pena que eles não conheçam a avó fantástica que darias, pois eras uma mãe esplendorosa :)
Tanto a mais a dizer... Tantas recordações que nunca passarão disso... Tantos objectivos por cumprir e que assim ficarão, pois não estarás mais aqui para que se possam realizar...
Outro dia estava a tia Vira a dizer ao Luís que no dia que ele casasse que ela entrava com ele na igreja, se ele quisesse. Mas depois perguntou quem era a madrinha dele, ao que ela respondeu "Então a tia Isabel entra contigo."
Não, mãe... Ele ainda não namora... Não, eu também não... Não te preocupes... Sempre soubeste de tudo nas nossas vidas... E sempre continuarás a saber... Mesmo não estando mais aqui...
Gostava de saber como se lida com uma perda...
Gostava de saber porque dói tanto perder alguém de quem se ama...
Mas, acima de tudo, gostaria de saber porque se tem de perder quem se ama...

1 comentário:

  1. Desculpa a invasão no teu espaço tão pessoal...... mas não resisti a ler, e gostei bastante.
    Apercebi-me que és uma pessoa corajosa, que lute pela vida, e isso é bom de pareciar!
    Felicidades para ti, tudo de bom.
    Beijinhos

    Heloisa

    ResponderEliminar